Maison

Facebook e Cambridge Analytica: o problema é muito maior que esse

Facebook e Cambridge Analytica: o problema é muito maior que esse

Se você pensou que os dados analisados pela Cambridge Analytica foram o grande problema de ‘segurança’ no Facebook, sinto-lhe dizer que o buraco é muito maior.

Entendendo o vídeo acima

Como percebemos o trabalho da Cambridge Analytica foi muito além de coletar os dados das pessoas que participaram dos testes e dos amigos dela. A grande virtude deles era a capacidade de cruzar os dados e traçar com precisão alguns grupos de personalidade e saber como montar a mensagem que seria entregue a cada um deles.

Neste caso foram analisados os dados internos do Facebook, rastros deixados pelos usuários como curtidas, compartilhamentos, menções e assim por diante. Cada ação e interação feita na plataforma é, de fato, o espelhamento do nosso comportamento fora da rede.

Mantendo seus dados seguros no Facebook

Mark anuncia: Clear History

Mark anuncia: Clear History

Assim que o escândalo tornou-se público o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, foi ao senado e congresso americano para depor durante vários dias e perguntas direcionadas a ele demonstraram o vago entendimento do seu modelo de negócio. No entanto, uma coisa é clara: os seus dados pertencem ao Facebook no momento em que você interage nele. É assim que a plataforma funciona.

Recentemente, durante o F8 2018 Mark anuncia a possibilidade de limar o histórico no aplicativo.

“A ferramenta vai permitir que você veja os sites e aplicativos que nos enviam informação quando você os utiliza, [vai permitir que você] delete essa informação de sua conta e desative nossa habilidade para armazenar [essa informação] associada à sua conta”, afirmou a companhia.

Dessa maneira fica mais claro e fácil você controlar os dados gerados e utilizados para veicular campanhas publicitárias para você.

E quando cruzamos os dados do Facebook com os rastros deixados fora dele?

Análise de dados

Imagine a seguinte situação: você tem uma conta no Facebook e faz o login por uma conta de e-mail ou número de celular. De qualquer forma essa conta é utilizada em outros serviços como login no serviço de compras de ingresso, App de transporte, sites de compra, programas de fidelidade sem contar com os sites que contam com login social que permite você logar usando sua ID do Facebook.

Conseguiu imaginar? Agora vamos um pouco mais além: em uma dessas contas você fez uma compra com cartão de crédito, informou seu número de celular e seu endereço. Mesmo com todas as políticas de privacidade que permitem evitar que você seja rastreado unicamente elas não evitam que você seja clusterizado em um grupo de pessoas que possuam comportamento semelhante ao seu.

Até mesmo informações fragmentadas suas que são deixadas em diversos navegadores podem ser agrupadas e traçar o seu perfil digital para que você seja impactado por anúncios programados. A Tail, por exemlo, consegue realizar esse agrupamento de informações e fornece um pequeno resumo de como você está segmentado na Web.

Tail: Análise do perfil digital

Tail: Análise do perfil digital

Para verificar o seu basta acessar o site da Tail e no final da página clicar em Seu Perfil, abrirá uma caixa com alguns dados seus que a inteligência deles encontrou na Web.

Seu grande inimigo: o smartphone

Muitos dados são gerados e fornecidos pelo seu Smartphone

Se olharmos para o Facebook apenas como um site que roda no seu PC não temos grandes problemas. No entanto, ao analisar a pessoalidade que atribuímos ao smartphone começa-se a encontrar muito mais informações que disponibilizamos sem pensar. Dados como geolocalização, locais que frequentamos, o que escutamos, quais locais que literalmente entramos são compartilhados e monitorados por Apps.

Farei mais uma pergunta básica para você: Você tem costume de analisar todas as permissões que são solicitadas ao instalar um App em seu smartphone? Já parou para refletir o motivo de um joguinho solicitar acesso ao seu GPS, sua câmera e seu microfone se ele apenas quer que você plante em uma fazendinha virtual?

Há serviços parceiros à estes Apps (que fazem eles ganharem dinheiro) que usam essas informações para também enviar publicações geolocalizadas e, pasmem, saber se você entrou em algum estabelecimento e quanto tempo você permaneceu lá.

Mas que mal há nisso?

Nada do que foi apresentado acima é grande novidade e já éramos impactados por anúncios segmentados e retargeting desde que o Google iniciou com suas campanhas de Adwords. Não vejo malícia em querer te oferecer um produto que você jogou dentro do carrinho de compras e abandonou-o. Há alguns casos em que o Feed da pessoa realmente se transforma (há casos de mulheres grávidas que ao iniciar a gestação tem seu feed é transformado resumindo a mulher (e seus desejos, ambições) a apenas mãe) de acordo com os traços deixados.

O grande problema vem quando as Fake News são impulsionadas e destinadas para manipular o pensamento crítico das pessoas. O efeito bolha causado pelo algoritmo das redes sociais é potencializado com uma enxurrada de conteúdo tendencioso, com títulos apocalípticos e entregues para as pessoas que certamente irão compactuar com a ideia disseminando a mensagem para as pessoas próximas.

E como fazer para mantermo-nos seguros?

Modo anônimo evita que seus dados sejam rastreados.

Uma boa tática é utilizar a janela anônima no momento de realizar compras on-line ou buscar por algum produto ou serviço na Internet. Vale lembrar que o coockie, grande responsável por armazenar e identificar quem você é, será esvaziado logo após fechar o browser. Outra dica é cuidar com o que você posta, com quem interage e quais serviços você utiliza.

Não perca nenhuma notícia

Inscreva-se na nossa Newsletter e receba semanalmente conteúdo de qualidade com várias notícias sobre comunicação, inovação e tecnologia.

Post a Comment